Fonte: NEXO
A noção de função e funcionalidade da cidade, a cidade como algo que deve funcionar, um sistema eficiente de fluxos de veículos, cargas, mercadorias, transeuntes, coloca a questão da gestão e da governança das cidades fora da política e, portanto fora da possibilidade de universalização de direitos.
As manchetes pouco antes e logo após a posse dos novos prefeitos não alimentavam grandes esperanças para as cidades brasileiras: municípios endividados, folhas de pagamento comprometidas com o funcionalismo, dívidas feitas em gestões anteriores, problemas de infraestrutura com sua resolução fora da agenda de médio prazo, crise nos serviços públicos, câmaras de vereadores aprovando leis em benefício próprio. A sensação difundida por parte da imprensa e martelada por anos em rasos programas televisivos que governar a coisa pública e governar sua própria casa é apenas uma questão de escala ampliava o senso comum conservador da única saída para as cidades brasileiras: ordem, vontade política e administradores de empresas no comando.
Mas para se governar é preciso ter condições para o próprio exercício do governo e para a eficiência das ações do governo. O que está no cerne do conceito de governança e de governabilidade, com estudos e pesquisas já consagrados na ciência política, administração pública e gestão de políticas públicas, é ainda mais impactado pela materialidade do uso e ocupação do solo urbano, com articulações e arranjos próprios da escala do município, tal como ele se encontra no arranjo federativo brasileiro. Compreender como cada um dos agentes atua na produção do espaço urbano construído parece ser uma etapa fundamental para a elaboração de uma governança do urbano.
Sobre as possibilidades institucionais capazes de atender aos desafios das cidades, importante salientar que a questão passa pela alta dependência dos municípios brasileiros em relação ao Fundo de Participação dos Municípios, pela baixa capacidade de geração de recursos próprios - por meio de impostos sobre a propriedade e serviços - e pela pouca capacidade técnica na gestão de convênios e contratos. Ainda que seja quase impossível tratar todos os 5.570 municípios brasileiros numa única análise (estudos mostram que a desigualdade entre municípios de uma mesma região é ainda maior do que a desigualdade regional do Brasil), as questões oriundas do ajuste fiscal permanente no qual estamos inseridos parece impactar a todos, de uma ou outra maneira.
Em relação aos desafios específicos das metrópoles no Brasil, sabe-se que os limites administrativos dos municípios impõem dificuldades para a gestão das principais questões metropolitanas, como o transporte público, a urbanização de assentamentos precários, enchentes e problemas de drenagem, equacionamento da demanda habitacional, entre outros temas que não se resolvem nos perímetros municipais legais. Uma governança pautada por essas questões, ou como designa o Estatuto das Metrópoles, as Funções de Interesse Comum, poderia ser um caminho a se trilhar ao menos na concertação federativa. Permanece, no entanto, a questão do financiamento, tanto para os municípios não metropolitanos quanto para as grandes metrópoles.

Leia a notícia direto da fonte.

Enviar-me um email quando as pessoas comentarem –

Para adicionar comentários, você deve ser membro de Rede MuniCiencia.

Join Rede MuniCiencia